segunda-feira, outubro 10, 2005

A oeste o costume

Nada de novo.
Mais do mesmo.
Sem surpresas.
As reacções aos resultados denunciam os seus autores e propósitos.
Aquilo que se pensava, confirmou-se.

No acto do crime e da delinquência, reside a notícia.
É de tempo dos jornalistas se autoquestionarem.
Para quem trabalham afinal?

O meu País tão arrumadinho...
Tão querido...
Ó......
Todavia....o sol....o azeite....o vinho.....as moças.....o benfas....o mar....
a língua....os amigos....a música....a família......
a areia......a primavera.....o eclipse..................................................................................................................................



Stage Coach

8 comentários:

M disse...

Vimo-nos no pedro e Inês queria ter falado contigo, encontraram-se ali pessoas que andam ao mesmo.

Quanto ao país ... acho que se for ao fundo melhor pode ser que alguém se canse!

um estranho disse...

Hoje não me apetece escrever bem. "Artisticamente" falando!

Estes teus desabafos dão-me cabo da mona!


Não há outra maneira de descrever. Desculpa.

Elora disse...

O que me surpreende é a falta de vontade de pôr um ponto nisto.

um estranho disse...

hehehe
Isto não estava aqui há bocado!
Não vale.

muguele disse...

A Oeste, o "Vince"!

Temos direito a um "furaquinho". Felizmente!

O que nos vale é os americanos não terem jeito para pôr nome aos nossos furacões. Imaginem se algum iluminado se lembrava de lhe chamar Valentim!

soniaq disse...

O que precisamos é mesmo de um João Gil Waine, para dar cabo deles, é só tomar a poção mágica e zás, dás cabo destes romanos todos.
Vivá a (Portu)Gália!
até e beijoca

Malae disse...

Será que algum dia este páis mudará?! Começo a temer que não...

Deixo um beijinho... saindo de mansinho e pedindo desculpa pela invasão! (andava a passear nas Sublimações da Cokas!)
Malae

M disse...

Nada de novo, NADA DE NOVOOOOOOOOO!