quarta-feira, agosto 17, 2005

As Maravilhosas Rotundas de Portugal

Há um País que nos foge da mão. Um País que se observa, que se critica, mas que ele! O País!!??
Segue tranquilamente o seu dia-a-dia indiferente a tudo aquilo que alguém possa pensar, um País que se está nas tintas para o que se possa pensar.
Por exemplo:
Uma rotunda, para divergir correctamente (para quem sabe) os caminhos a seguir à saída da vila, cidade ou aldeia, seja onde for, e depois... logo a seguir, outra, mais outra e outra ainda ... e, acreditem! Não estou a exagerar, outra Rotunda!!!! VIVA!
Pois então pergunto ainda assim e , desculpemmmmmm,:
Porquê tanta rotunda?
- Estúpido! Não sabes que morre imensa gente nas estradas de Portugal, que o povo não tem inclinação, civismo, ou educação para conduzir? Hein? Assim não temos outro remédio. Rotundas e..... calas-te!
-Que achas?
-Tábem tábem..
Fuuuuuuuuuuu.
- Deve ser a mesma coisa dos incêndios. O País arde corrrecta e ordeiramente à volta.
- Não se fala mais nisso.
Ah, já me esquecia. Tudo isto ....
Sem placas de aviso ou sinalização.
Para quê?
Não sejamos hipócritas...
Porque a nossa inteligência tem a obrigação de compreender as razões de tudo isto.

Não ouvem o silêncio???

2 comentários:

notanymore disse...

Viva,

Antes fossem só as rotundas! O problema é mesmo de mentalidade em muitos sectores da sociedade. A falta de produtividade muito por culpa de quem (pouco) trabalha e antes prefere fazer uma *ponte* para descansar; a preocupação com aeroportos e TGV´s para se chegar ao Porto em menos meia hora, quando o problema é estrutural! Mais que a celeridade dos meios de transporte, importa acabar com a pobreza, com os baixos salários, com as chorudas reformas de quem trabalha no sector público por, apenas, escassos meses. Importa, acima de tudo, valorizar o que é português, inovando. Dando-nos a conhecer não como o país da cauda da União Europeia (quem se lembra de Portugal ainda há poucos anos à frente da Grécia?), mas como uma nação, como um todo, que -sim tem problemas-, mas tem excelentes profissionais, grandes capacidades técnicas para evoluir e para mudar!
E isto não pode ser mera retórica. Estamos em crise, é um facto. Mas estaremos muito pior se nada acharmos que conseguimos fazer para alterar esta situação. Não é um problema, apenas, do Governo (embora seja ele que dê a *cara*), é um problema de todos nós que DEVERÍAMOS ter um papel muito mais activo em termos de cidadania!
Quanto aos fogos, aí podemos constatar a modorra dos nossos esforços. Não é dizer em 2004 que em 2005 tem de haver prevenção, que se tem de limpar as matas, convocar militares que nada têm a fazer..é FAZÊ-LO!

O nosso problema (agora que o vejo bem), secalhar, é mesmo as rotundas. Sempre gostámos de andar às voltas...

um estranho disse...

Oiço-o, perfeito.