quarta-feira, outubro 26, 2005

Os acólitos anónimos

Meu querido e fervoroso diário:
Tu por acaso sabias desta coisa bizarra da igreja, até à data não conceder aos divorciados o direito de comungar como outro fiel?
Iguais por fora, mesmo que se escondam por dentro?
Sim, porque o pecado de ter pecado não tem vergonha que se veja à vista.
Eles lá sabem, muito embora te diga que me faz alguma confusão. Se bem me lembro, acólitozito a preto e branco da RTP, o puto que levava lambadas ruidosas, por comer hóstias?
Valha-me Deus!
Juro por tal, e Ele sabe muitíssimo bem que não estavam ainda benzidas.
Vamos lá!
Pão...simplesmente.

Então lá vem o recado anunciado ao mundo:
Sejam discretos!
Podem fazê-lo, mas atenção:
façam-no longe do vosso agregado familiar e social.
É importante que venham todos à igreja. Clamam!!

Foi o que li há dias atrás no D.N.
O artigo não estava assinado...e nem me dá gozo especial em glosar o assunto. Diga-se de passagem de versículo porém.
Mas até não me espantava que fosse tal e qual, ou mais coisa menos coisa.
Cousas, aliás, que se falam pouco todavia, um pouco inibidos de abordar o tema por delicado aparentar ficamos.

Mas... seja eu perdoado, se do pão abençoado quiser um dia.
Farei meu à Tua altura, Querido Deus.
À nossa imagem!

Um pouco mais evoluído se não Te importares.


Ah!!! já agora deixa-me confessar-Te que jamais abri o sacrário às escondidas.

Tu sabes bem,


De Sica, 1948

6 comentários:

nascitura disse...

Fui ver ao dicionário a definição de pecado:
- transgressão de preceito religioso
- ...
- ...
Como não tenho religião, não sou pecadora. Assim fico mais descansadinha!!!!!

um estranho disse...

Mesmo assim tem havido alguma evolução, muito muito pouca mas já se vê alguma vontade de mudança junto da instituição que é.
Teve que ser, acho que perceberam que a fé que move as montanhas (é assim que se diz não é?) foi unindo e dispersando multidões para locais de "outras" fés com fins $$$$$.

Mas a nossa Igreja não se actualizou. É um acto de hipocrisia absoluta o exemplo que dás.

Mantendo as aparencias, deixem os pecados lá fora.

A minha ninguém ma tira - a minha fé - e quando entro nalgum lado não deixo nada à porta, nem a fé nem os meus pecados.

M disse...

Uma solidão muito neo-realista a deste abandono no passeio ... gosto destas imagens cheias de coisas nossas tão reais!Ou não, mas em que tentamos acreditar, também gosto de aqui estar.

M disse...

As tentações de Santo Antão não se podem esquecr as tentações que estão nos quadros.
E manter alguma religiosidade no meio de tudo.
As tentações são tramadas!

Cláudia Morais disse...

Gosto do que escreve, mas só hoje descobri o blog.
Convido-o visitar-me: www.apsicologa.blogspot.com

A.na disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.