quarta-feira, outubro 12, 2005

Por uma causa

Fosse eu Deus por um momento, daria umas sete vidas e mais outras tanto,
acrescidas de uma força invulgar, a Mr. Kofi Annan, sem no entanto denunciar a minha subtil acção,
não fosse o Diabo por sua vez...

Ao ser medalhado em Portugal, retribuímos todo o esforço e empenho na questão Timorense,
assumindo da nossa parte a importância que reconhecemos nas Nações Unidas.
Achamos bem!!

Alongando o zoom, eu, o tal Deus, daria um fôlego extraordinário ao dirigente em causa,
para a implementação das Nações Unidas e reforma do seu conselho de segurança, como única boia de salvação possível.
Pensem só no que seria a barbárie...se não houvesse nada...nada!

Precisamos de regulamentos e regras de entendimento globais.
Assim saberemos a todo o instante, porque, como, contra quem, a favor de quem, marcham os canhões.

Será que todos juntos, saltando ao mesmo, gritando em uníssono, além de fazer estragos ambientais,
também adquirimos a força de um Deus?

À nossa imagem?

Esta é uma grande causa.

2 comentários:

patrick bateman disse...

sim à globalização... nas "regras e entendimentos"

um estranho disse...

Poderosíssima
a nossa força se:

Unidas as nossas vozes
Unidos num mesmo objectivo de vida
Na construção daquilo em que acreditamos.

Todos juntos, de mãos dadas.

Infelizmente, as nossas causas nem sempre movem o panorama mais urgente. Dividimo-nos.



e




perdemos força.