quinta-feira, dezembro 29, 2005

Ir a Allen pensando ver woody

Ó Quase:

O C.C.B. encheu-se para uma sessão especial de cinema.
Era um dia único.
Juntou-se o povo para ver a retrospectiva dedicada a Woody.
Como nem sempre é possível ver o realizador ao vivo,
este tipo de eventos raros revestem-se sempre de algum aparato extra.
Um certame!!!
A RTP mandou o seu repórter de charme.
A SIC e a sua pequena brigada de riso.
A TVI já se sabe.
Vieram todos a correr, numa espécie de ciclo da cinemateca.
Qualquer coisa de anos cinquenta em pleno Salazarismo,
recebendo uma estrela de cinema qualquer.
Então, lá foram todos, só que para azar,
a máquina de projecção avariou, pifou, deu o berro.
Apenas se ouviu a música... para além dos impropérios ao afamado marreco.
Uns senhores assim... já entradotes, entendes?
Qualquer coisa de... quê?
New Orleans creio, bem! Não estou lá muito seguro.
Não interessa.
Foram ver o Woody Allen, mais nada, pronto!
Não te ponhas com coisas.

Um dia, caro quase, fui a Roma ver o Papa e,
por falta de Papa, acabei por ver Roma.
Nada mau.
Tens a certeza que o pessoal foi ouvir música?

Sim, tens toda a razão.
Desculpa-me!

Há quanto tempo não ouvia esta palavra... certame.

Bué antiga!


7 comentários:

ClintEastwood disse...

Esta comunicação social realmente... É que nem sequer tem a ver com a forma como lidam com fulano A ou B mais ou menos mediático, é mais... Oh!! quem é que eu quero enganar? É exactamente a forma como lidam com esses fulanos/artistas, A ou B !!! Será que não percebem que para além de respeito, eles não querem mais nada ?? Tantos fulanos/artistas, A ou B,mas neste caso, portugueses, que fazem algo de extraordinário, e no entanto os "jornalistas/putos que não percebem nada do assunto", nem sequer procuram tropeçar entre outros para conseguir uma palavra, um grito, um grunhido, enfim... o que o artista/fulano se lembrar de dar naquele momento !!!

A.na disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
blue note disse...

Ah.. foste ver o Allen! Mais parece um Alien, com tanto circo à volta.
Não me importa. Eu queria ir também para ver, e ser foleira, como todos os que só querem ver por ver. Mas o Woody Allen é digno de se ver. Vejo tanta gente na rua que não queria, tanta gente a vomitar barbaridades que não suporto, que ver o Allen, transporta-me aos seu filmes geniais. Sem ser ele e o outro velhote do Sam Sheppard, não tenho ídolos. Pois é, nem Jesus Cristo se safa.
Não sei o que os outros lá foram fazer. Mas eu assumo que ia vê-lo. assumo que já tentei outras vezes em N.Y. e não consegui. Porque ele faz parte da minha formação e mesmo que a sua música não seja o pretexto, ele todo é.

Maria disse...

Tenho quase a certeza de que a maior parte nunca ouviu música, não sabe o que é jazz, nem onde fica New Orleans...principalmente esse grupo de entrevistadores ruidosos, que deliram com as suas próprias piadas e põem Narciso a um canto!!! ai, ai...

Mariana Matos disse...

Eu já não corrijo mais nada. Bom ano 2006.

Intemporal disse...

eu corrijo sempre qualquer coisa.
em mim, nos outros, no pensar.
Corrige-me se estou enganada. esses badamecos sentem-se ameaçados a toda a hora pelo poder das tuas teclas, das minhas e das nossas. Escrevemos melhor que eles e somos bem mais livres nos pensamentos.Quase que aposto contigo que TODOS eles têm um blog por aí onde secretamente despejam e vomitam as alminhas pensantes de quem nada tem de novo para dizer. isto fica assim tudo de seguida para evitar reconhecimentos mas olha lá o quanto eles nao pagariam para terem uma alma como as nossas. Venham os Allen's que as senhas estão disponiveis.

Menina_marota disse...

Gostei da irinia do texto! Palavra que gostei. Mas também gosto de Jazz, mas não fui ver o Woody... será que os "outros" também o foram ver ou só serem vistos que foram ver?
Desculpa a ironia, nem costumo ser assim...
Só vim aqui mesmo para te desejar um FELIZ ANO NOVO!
Ah...
E muita música... ;)