quarta-feira, dezembro 28, 2005

Uma bica e um blogue





Ya! Quase, tá-se?

Não sei bem porque te abordo assim.
Tantos os que duvidam deste género.
Ouvi há dias atrás um daqueles tipos,
digno representante de grupos empresariais,
misturando tudo e todos, num saco enorme de incompetentes
que não se podem comparar a jornalistas,
muito menos, substituir a imprensa credível...continuava o dito.

Praguejei e arrematei com galhardia:
Este tipo está com medo!
Gritei para o aparelho de rádio.

Estranho, o edifício literário em que vivemos.
Dominado pela ausência de regras,
ouso praticar a invenção das palavras quando calha.
Saio à rua e, zás!
Caio atingido por um raio.
Sou um fulminado, seja cão, e ladro porque não!
Somos todos iguais nessa net!
Cantava o Lins.
A delinquência da escrita de rajada?
A falta de rigor verbal?
O meio mal frequentado?
Será que esta nossa comunicação sanguínea,
retira-lhes protagonismo manipulador?
Mas, alguém pretende?
Por mim...
A todos eles o belo traque pois então.

Traga-me um café e uma água, por favor...

10 comentários:

Baggio disse...

A foto está com boa luz.

soniaq disse...

João
Desejo-te um Ano Novo fantástico, com muita música para nos encher o coração.
beijinho

A.na disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
A.na disse...

E a minha gargalhada!
Desculpa...sim?
Foi de rajada,mais forte que eu!

Tem toda a razão,toda a luz,
está muito boa mesmo.

Abraços...D.João sem regras.

Maria disse...

E mais nada! é assim mesmo, João.

Maria disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Mariana Matos disse...

recomendo-te a leitura do poema ( ou releitura!) "Sentenças Delirantes de um poeta para si próprio em tempo de cabeças pensantes" de Alexandre O´Neill. Podes encontrá-lo, se não o tiveres, aqui: http://www.arlindo-correia.com/250900.html#A%20saca%20de%20orelhas
1ª sentença:
"Não te ataques com os atacadores dos outros.

Deixa a cada sapato a sua marcha e a sua direcção.

0 mesmo deves fazer com os açaimos.

E com os botões."

Bom ano 2006.

Lyra disse...

somos todos iguais pois então. aqui pela net e fora dela. uns mais iguais já sei, já sei. Mas por dentro iguaizinhos acredita. lembro-me que um dia fazias um choradinho por nunca saberes onde pôr virgulas, olha pra mim que me esqueço das maiusculas, das regras do bom escrever. mas sai assim de rajada que queres. pelo menos é sincero. (somos todos iguais pois somos. mesmo que digam que não. quando bate a dor todos choram. isso não é ser igual?!)Ya! tá-se! :) boas entradas para ti. e Quase, aqui que ninguém nos ouve, não lhe ligues. Tens muitos nomes mas és sempre o mesmo :) assim parecido com a blogosfera. Muitos nomes todos iguais.

Intemporal disse...

e a Filarmonica também "se tá", já é disco de ouro com mais de 100 mil copias vendidas.

Apanha lá esta ó Mr Jornaliste!

nascitura disse...

...pois é medo sim senhor!
medo de ser e de não ser
medo de falar e de não falar
medo de gostar e de não gostar
medo de sentir e de não sentir
medo de viver e de não viver
com tanto medo por aí, acho até que 80% das nossas actitudes são reflexo de medos!
...e já agora que venha mais um...