segunda-feira, dezembro 26, 2005

A nave

Então Quase, estás bom?

Tive sorte.
Livros e vinho tinto.
Gosto.
Tocar nos livros.
Se fosse o super homem dava-lhes uma vista de olhos.
Assim, pego neles, viro-os, cheiro-os, e dou-lhes a volta.
Há putos como eu que recebem uma data de prendas, fingem ser distraídos e tal, mas não as perdem de vista.
Um dia vou pegar-lhes:
Trinta por uma linha farei deles quase que rotos e maltrapilhos, pelas mãos estafados antes que alguém lhes faça um filme.
Os livros?
São para ler e deitar fora da boca.
Junto-os todos lá atrás e esqueço-me deles até me lembrar.
As palavras chegam e partem numa nave.
Aceno com o lenço branco sempre que vejo um livro ao aproximar-se no horizonte.
Leva-me daqui as palavras, desampara-me esta loja, e limpa-me esse convés, homem de Deus!
Quando acostares, levanta bem os braços para te ver.
Gosto dessa cara que fazes quando me vês chegar.
Agora vai, aproveita esta chuva,
esgueira-te pelos intervalos dela,
e vai, vai e leva-lhe um beijo como deve ser.

3 comentários:

Lyra disse...

:)
(um sorriso não deveria ser um comentário pois não? apenas um sorriso e pronto. mas vale mais não vale?! e é o que me apetece dizer. dizer um sorriso) :)

Mariana Matos disse...

:)
a mim também...

um estranho disse...

fingimento por fingimento.
É a troca por troca,
e tudo fica bem,
Seremos, assim, felizes para sempre!