quarta-feira, junho 21, 2006

Vale a pena Portugal?

Meu querido amigo
Mando-te este texto que enviei ao blogue "canalmaldito" que discute a questão da lei da rádio.
Tentei falar em sentidos figurados, por falta de pachorra para entrar em polémicas circunstanciais.
Deixo-te aqui o texto


"Antes de mais, os meus parabéns ao blogue e à iniciativa da discussão.
Este não é um tema novo para toda uma plataforma que discutiu profundamente o assunto e da qual fiz parte.
Apesar de alguns interesses não assumidos e lobizados nem a Rádio nem os homens da Rádio, são meus-nossos inimigos.
Considero-me sim inimigo duma puta duma mentalidade preguiçosa e estúpida que domina Portugal
uns dias após o seu nascimento.
Humildemente acredito que a questão passa por inverter os hábitos e costumes de consumo.
Mas.... isso seria a inversão de Portugal, torná-lo menos periférico, mais orgulhoso da sua lingua,
numa espécie de reencaminhamento da bandeira à janela para uma elevação e evolução cultural.
Utópico que sou...
Uma espécie de Espanha, País traumático para nós, mas inviável de tanta inveja sofrermos..
Imaginem um Portugal onde se ouvisse o mais possivel de tudo o que fosse produto nacional.
Onde se consumisse em todos os formatos, todo o tipo de música de todas as áreas...
Acreditam nisso????

Portugal só é um País de vez em quando, porque tem comportamentos bizarros que se assemelham a grupos de nómadas à procura de um sítio para acampar.

Por isso estou orgulhoso de fazer parte de um grupo de pessoas inconformadas, que tentam inverter
a situação, criando um processo lento de mudança que só daqui a muitos anos terá resultados efectivos.
Acredito que os novos projectos terão nessa altura visibilidade e...
Portugal valerá a pena. "

Um abraço

3 comentários:

Mariana Matos disse...

Vale sempre a pena!...Mesmo que pareça que n vale.

Norte disse...

Por vezes pensamos que não vale a pena, mas se acreditamos nas nossas convicções é por algum motivo.
E sabes, é quando não temos que damos o devido valor às coisas...até ao nosso país.

Alex disse...

A resignação existe numa fasquia muito alta. Às vezes fico irritada quando em conversas cruzadas se diz mal de Portugal e dos Portugueses. Fico pocessa. Normalmente aí defendo-nos a todos. Mas é verdade que nos resignamos com muita facilidade. E olha a força que temos todos quando nos juntamos para fazer qualquer coisa em que acreditamos !!

Podiamos fazer a diferença.
E fazer a diferença é lutar um bocadinho mais. é dar um murro na mesa na hora e no SITIO certo. É perguntar PORQUÊ. Citando um amigo meu, dizer: NÃO ACEITO, NÃO CONCORDO, NÃO QUERO, EXPLIQUEM-ME, QUERO SABER PORQUE É ASSIM, OIÇAM-ME.

Alguma coisa fica de tudo o que ousamos contestar. Se em vez de 1, ou meia duzia de pessoas, todos os MUSICOS se fizessem ouvir ... ha pois.

Vale sempre a pena contestar as coisas com as quais não concordamos.

ena pá, fartei-me de escrever.
Bj João