quarta-feira, setembro 13, 2006

Borboleta

Sempre que viras as costas
Há uma convicção a caír
Sempre que olhas para o lado
Há uma estrela que arrefece
Sempre que baixas a cabeça
Há um peixe afogueado
Sempre que assobias distraídamente
Há uma denúncia sob tortura
Sempre que ficas indiferente
Há um fusível que se avaria
Sempre que te calas
Há um silêncio aterrador


Em cada movimento teu
Há um efeito terrível

Será que ainda não descobriste...

Que se um dia sorrires
verás os meus olhos


Terás a minha alma

16 comentários:

Mariana disse...

muito bom o texto.

Rosalina disse...

"Sempre que te calas
Há um silêncio aterrador"

principalmente quando deixamos de falar connosco e o silêncio passa a ser o vazio.

A.P. disse...

Olhos nos olhos, um dia encontrarei o olhar que ao se cruzar com o meu me arrebate a alma.
Eles são um livro de páginas brancas à espera do dia em que alguém as cobrirá de sentimento.

Poema lindíssimo, como sempre.
Sem comentários...

soniaq disse...

Sem fôlego.
Muito bom/bonito

beijinho

*Marta* disse...

Poema simplesmente espectacular. Lindo mesmo, tal como todos os outros textos. Parabéns*

mni disse...

:)

nudi disse...

tao simples e tao lindo!
este é um cantinho especial e acolhedor!tenho de ca vir mais vezes.parabens!
diverte-te
vans

M disse...

quando um sorriso se cruza com uma alma junta-se o rio e o mar!

Mariana disse...

"Passa uma borboleta por diante de mim
E pela primeira vez no Universo eu reparo
Que as borboletas não têm cor nem movimento,
Assim como as flores não têm perfume nem cor.
A cor é que tem cor nas asas da borboleta,
No movimento da borboleta o movimento é que se move,
O perfume é que tem perfume no perfume da flor.
A borboleta é apenas a borboleta
E a flor é apenas flor."
Alberto Caeiro
:)

dass disse...

Venho sempre aqui mesmo quando não comento, não costumo, provavelmente não o farei muitas vezes, mas adoro. adorei cada palavra,cada frase... já li e reli, está cá dentro no coração.

Xica disse...

Cada acto nosso tem consequências até qd ele se resume a não fazermos nada. Como alguém disse não fazemos o bem simplesmente pq não fazemos mal. Muitas vezes ficar indiferente, quieto é bem pior.
Isto tudo p dizer q gostei mt do texto.

Norte disse...

Sorte de quem a tem, João.

Pêndulo disse...

Bem... há muito que não passava por aqui e acho que vou virar visitante habitual...

não sei te dê os parabéns se te agradeça... mas acho que é melhor mesmo dizer "Parabéns e obrigado, João Gil :-))))) "

Ana disse...

Adorei o texto..não sei quem és,não sei que nome tens, nao sei a tua idade, nao sei seker que existes...mas posso tentar sorrir e fiko a saber a cor dos teus olhos...

emma disse...

...a natureza é perfeita porque a Borboleta quando sorrir, não verá os teus olhos, verá o teu olhar. E a óbvia ingenuidade faz dela e de ti, a ''figura de estílo'' mais bem desenhada que conheço... onde os limites estão na infindável essência que nos permite respirar e pensar... VIVER, é Maravilhoso... e Sentir é Viver...

Nuvem

emma disse...

...a natureza é perfeita porque a Borboleta quando sorrir, não verá os teus olhos, verá o teu olhar. E a óbvia ingenuidade faz dela e de ti, a ''figura de estílo'' mais bem desenhada que conheço... onde os limites estão na infindável essência que nos permite respirar e pensar... VIVER, é Maravilhoso... e Sentir é Viver...

Nuvem