terça-feira, junho 21, 2005

O estado de espírito da nação

Começa a ser doentio e a ter contornos algo descontrolados.
Não me refiro à razão que assiste aos protestos que saem de toda a sociedade civil.
Aliás, se existe defice mais real, ele está na calma e tranquilidade que desde há longos anos recebemos as decisões superiores.

Um sinal de iniciativa individual, empreendimentos de cidadãos organizados em torno de objectivos colectivos, qualquer reacção mais "agressiva" ou espontãnea ?
Não!
Nada!
Absolutamente nada!

Salvo os sindicatos, salvo as suspeitas pré-campanhas com as suas dinâmicas mobilizadoras e manipuladoras, salvo os honrosos exercícios de livre cidadania, o povo parece adormecido depois de uma bela sardinhada, um mau vinho acompanhado de uma bela seven-up, com um sol magnífico em cima de um panamá branco.
- Deixem-me em Paz!!
- Deixem-me dormir!!

Até que acordamos um belo dia e....Fantástico!
- Bandidos, Ladrões, Gatunos, etc, etc
Damos conta que tratamos o País por "Isto".
Ou seja, nunca nos incluímos no role de possíveis arguidos da situação.
A culpa é DELES!

A crise toca a todos, não está fácil para ninguém, muitos amigos a passar mal, mas, meus queridos companheiros da mesma lingua e país:

Começa a faltar alguma paciência para tanta depressão e pessimismo, para tanto discurso culpabilizador de erros de um passado transformado em herança colectiva.

Creio humildemente que este estado de espírito da nação, não acrescenta muito à compreensão e solução de muitos dos problemas. Por outro lado, pode toldar-nos a lucidez que tanto precisamos para o futuro de todos.
Também já percebemos todos que os criativos das campanhas partidárias, além dos tiros que dão nos pés dos candidatos, só trabalham de quatro em quatro anos, agora que precisamos de cabeça fria, não podemos entrar em pãnico. E sobretudo
queremos:

Boas Ideias e Boas Iniciativas

3 comentários:

um estranho disse...

Sobretudo não entrar em histeria social.

Ficarei atenta a este espaço que, vindo de quem vem, só nos pode trazer bocados de emoção dispersos e porque não uma esperança redobrada à descoberta de sentimentos.

E porque a vida é feita de cor!

http://palavras-dispersas.blogspot.com/

(Chinezzinha) disse...

João Gil

Conheci este blog hoje, através de um comentário teu na "Barca da Lyra".
A mim não me conheces, eu a ti conheço-te um pouco, visto que és mediático.

Pois é João...Portugal está a viver uma grande crise. Nunca andei tão revoltada como agora...
Eu própria fiz greve dia 22 que passou.

Beijos

P.S. Se quiseres conhecer um dos meus blogs o link é este: http://letraseletrass.blogspot.com/
Vou colocar este teu blog nos favoritos do meu.

Cátia disse...

"Também já percebemos todos que os criativos das campanhas partidárias, além dos tiros que dão nos pés dos candidatos, só trabalham de quatro em quatro anos"

Ocorre-me dizer que não se podem fazer omeletes sem ovos... É difícil ser-se diferente na abordagem quando é o partido que manda (o cliente).
Actualmente para a câmara de Lisboa achei a abordagem do bloco de esquerda através do "Zé faz falta" interessante por não estar carregada daquela demagogia do "força, este é o voto de confiança" ou o "lisboa não precisa do governo,mas de governo...", mas sempre com aquela conversa que só convence quem já está convencido.

Honestamente sinto que as campanhas servem para muito pouco porque não é um cartaz a anunciar que o x está lá que vai esclarecer alguma coisa ou convencer alguém...

E agora estou-me a entusiasmar, acho que vou mas é parar:P

**