quinta-feira, julho 07, 2005

Ser um português racista, faz sentido?

Fará sentido ser racista em Portugal, sendo português?
Aqui está uma questão interessante no mínimo não?
Será que temos razões para ser realmente racistas, nós as eternos "vítimas" do racismo europeu?
Será que essa linguagem é a linguagem do violador porque foi o violado?
Será que é a velha definição marxista de que o racismo apenas justifica os baixos ordenados?
Será que será uma questão de cheiro, tantas vezes confidenciada por gente aparentemente nunca racista do género - Eu acho que nunca seria capaz!, porém apetrechada de forte costela de esquerda?
Será que o nosso presidente finalmente localizou geograficamente a génese do problema?
E por isso...não há problema?
Será que só é possivel no futebol?
Ou na musica já agora?

Ah....os Chineses!
Indianos também....ouvi dizer.

Mas isso não vem ao caso agora.

(longa pausa que supostamente se traduz num breve e longo pensamento)

Estamos feitos!

Sempre....mas é que é sempre!
Arranjando desculpas e mais desculpas.

Esfarrapadas claro...

Escondidas......

Cobardes!

3 comentários:

James disse...

Saímos da concha da razão
e do sentido das coisas
para um estado de assimilação de vaidades, perfumes importados e
falsos altruismos.
Bebemos tanto dos outros
q esquecemos quem somos.
E nesse estado de indeterminação, de falso poder e ausência de virtudes culpabilizamos os outros, porque são belos o que nos torna sujos.(delirio provoca delirio)

Sinceramente não percebi a do racismo europeu.Acho que somos é racistas uns com os outros, invejosos do poder e estatuto do próximo.
´
não sei se tiveste algo a ver com a composição do namoro II mas obrigado na mesma!

João Gil disse...

Caríssimo james
Se conheceres alguém que tenha passado alguns anos trabalhando no duro em França ou em outro lugar da Europa mais rica, ouvirás muitos amargos de suas bocas,Não foi fácil para eles.

Sim, fiz a musica " Namoro 2 "
Foi uma boa época para mim.

Um Abraço para ti

J.G.

sponte sua disse...

O racismo revela uma postura que tenta contornar o incontornável: todos - somos - diferentes, todos - somos - iguais! E revela, também, a cobardia de uns que se julgam mais iguais que outros, como se residisse nessa separação de raças - já agora, foi provada a existência de raças??? - a capacidade para regenerarem um qualquer tecido social, um qualquer código genético apurado em laboratório, desenvolvido para assegurar melhores - em quê? - seres humanos...
O racismo não faz sentido em Portugal ou em qualquer outro lugar do planeta! Infelizmente, cresce de forma descontrolada, enraizado em frases inflamatórias, qual incêndio de Verão descontrolado pelo vento! Infelizmente, a teoria comportamental de massas existe e uns quantos tolos, potenciados por um megafone, podem levar uma multidão a actos impensáveis! A iliteracia estende-se e poucos gostam de pensar por si... preferem fazer parte de uma equipa, ainda que poucas vezes por razões aceitáveis!
Porque será que os nossos problemas são sempre culpa dos outros?

PS É sempre bom ver aqui alguém que nos habituámos a ler em canções que nos preencheram a vida.